CRONOLOGIA DA HISTÓRIA CHINESA

Para notação das datas adotamos, neste livro, o sistema -/+ que significam, respectivamente, a.C. e d.C., ou ainda, “antes da era comum” e “depois da era comum”, posto que é uma tendência, entre os especialistas da área, não realizar a imposição de marcos religiosos como referências cronológicas, guardando um certo cuidado neste ponto.
 
Dinastia Xia (2205 -1766?)
Dinastia Shang (1523 - 1027)
Dinastia Zhou Anterior (1027 - 771)
Dinastia Zhou Posterior (771 - 221)
Primaveras e Outonos (771 - 481)
Estados Guerreiros (481-221)
Dinastia Qin (221 - 206)
Dinastia Han Ocidental (-206 + 12)
Dinastia Xin (12 + 23)
Dinastia Han Oriental (23 + 221)
Dinastias do Sul e do Norte (219+580)
Dinastia Sui (581 + 618)
Dinastia Tang (618 + 907)
Cinco Dinastias (907 + 960)
Dinastia Song (960 + 1279)
Dinastia Yuan (1280 + 1368)
Dinastia Ming (1368 + 1644)
Dinastia Qing (1644 + 1911)
República da China (1911 + 1949)
República Popular da China (1949 em diante)
 
Eventos principais da Modernidade:
1793: Embaixada do Lorde Macartney.
1839+1842: 1ª Guerra do Ópio.
1850+1864: rebelião Taiping.
1856+1860: 2ª Guerra do Ópio.
1894+1895: Guerra Sino-japonesa.
1898+1900: Rebelião dos Boxers.
1898: Reforma dos Cem dias, liderada por Kang Yuwei.
1911+1912: Fm do império, proclamação da República Chinesa, com Sun Yatsen.
1912: Fundação do partido popular nacional, o Guomindang.
1921: Fundação do partido comunista.
1927: Massacre dos comunistas em Shanghai.
1934: A alonga marcha de Maozedong.
1937: Invasão japonesa.
1945: Fim da 2ª guerra; combates entre o Guomindang e o PC recomeçam.
1949: proclamação da República Popular da China; o Guomindang, derrotado, foge para Taiwan.
1950: Guerra da Coréia.
1956-57: Campanha das Cem Flores.
1958: Grande Salto para frente.
1960: Rompimento com a URSS.
1966: Revolução Cultural.
1976: Morrem Zhu Enlai, Zhude e Maozedong.
1977: Deng Xiaoping volta ao poder na China.
1981: Deng é efetivado como líder.
1989: Incidentes na praça Tiananmen.
1997: Morte de Deng Xiaoping; retorno de Hong Kong ao controle chinês.

2 comentários: